Silêncio

(2021)

NOMEAÇÕES

Eleito um dos melhores espectáculos do ano de 2017 pelo jornal Expresso e revista Time Out

Nomeado como Melhor Espectáculo de 2017 pela SPA – Sociedade Portuguesa de Autores

ONDE E QUANDO

Lisboa (PT)
Sala Estúdio – Teatro Nacional D. Maria II, Sala Estúdio
29 de Setembro a 10 de Outubro de 2021

Paris (FR)
Théâtre de la Tempête
14 a 24 de Outubro de 2021

Valenciennes (FR)
Le Phénix, scène nationale Valenciennes pôle européen de création
25 e 26 de Fevereiro de 2022

Coimbra (PT)
Convento São Francisco
26 de Março de 2022

Amiens (FR)
Maison de la Culture d’Amiens, Pôle européen de création et de production
5 e 6 de Abril de 2022

MAIS DETALHES…

Silêncio é uma constelação de cenas em que as palavras se vão tornando impossíveis. Cinco atores dão vida a personagens cujo caminho é profundamente marcado pelo silêncio: pelo desejo de silêncio, ou pela ausência de uma resposta. Escrito por Cédric Orain e Guilherme Gomes, ao longo de encontros tidos desde 2018, o espetáculo debruça-se sobre o abismo das palavras, um silêncio, afinal, tão familiar que parece sempre presente: nas discretas tragédias familiares, ou num estado de pandemia. Este espetáculo é uma tentativa de pesquisa sobre o diálogo silencioso que estabelecemos no século XXI, confiantes de que o pensamento surge silenciosamente, antes de se fazer palavra. Que tensão é esta, quando existe uma ideia, mas ainda não se inventaram as palavras para ela? O que fazer, quando não se pode dizer nada? Não por opressão, mas por simplesmente não ser possível falar.

FICHA TÉCNICA/ARTÍSTICA

Direção, texto e encenação: Cédric Orain, Guilherme Gomes
Com: Guilherme Gomes, João Lagarto, Marcello Urgeghe, Tânia Alves, Teresa Coutinho
Música: Marion Cros
Cenografia e vídeo: Pierre Nouvel
Figurinos: Ângela Rocha
Desenho de luz: Bertrand Couderc
Direção técnica: Edouard Lyotard Khouri-Haddad
Operação de vídeo e som: Théo Lavirotte
Operação de luz: Boris Pijetlovic
Operação de legendas (TNDMII): Leonor Buesco
Tradução: Carina Amaral dos Santos
Administração, produção executiva, difusão: Maria João Garcia (PT), La Magnanerie – Anne Herrmann, Victor Leclère, Martin Galamez, Lauréna de la Torre (FR)
Produção: Teatro da Cidade, Compagnie La Traversée
Coprodução: Teatro Nacional D. Maria II, Maison de la Culture d’Amiens / Pôle européen de création et de production, Le phénix – Scène nationale de Valenciennes – Pôle européen de création, CRETA – Laboratório de Criação Teatral

Residências artísticas: O Espaço do Tempo, Les Plateaux Sauvages
Apoios: TNDM II Institut français à Paris, Institut français du Portugal, Embaixada de França
Apoios: Institut français/Théâtre Export, I-Portunus – Programa Europa Criativa, Temporada Cruzada França-Portugal

Projeto financiado pela República Portuguesa – Cultura / DGArtes.
Cédric Orain – La Traversée é artista associado da Maison de la Culture d’Amiens / Pôle européen de création et de production, e artista associado ao le phénix – scène nationale de Valenciennes no contexto do Campus du Pôle européen de création. A companhia tem o apoio do Ministère de la Culture – Direction régionale des affaires culturelles Hauts-deFrance, através do programa de apoio “aide aux compagnies conventionnées”, e é apoiada através do “programme d’activités des équipes artistiques” pela Região Hauts-de-France.
O Teatro da Cidade é artista associado d’O Espaço do Tempo.

FOLHA DE SALA

Topografia é o segundo espectáculo do Teatro da Cidade. Depois de Os Justos, de Albert Camus, decidimo-nos a um novo desafio: a criação colectiva original de um espectáculo que se debruça sobre o conceito de comunidade.
O teatro obriga-nos a experienciar este conceito, e quanto mais colectivo é o processo, mais nos confrontamos com a experiência de saber estar em comunidade. Quando decidimos ser “criadores colectivos” – palavras que, juntas, já por si se tornam paradoxais – abdicamos, em grande parte, da nossa individualidade para que de alguma forma a possamos testar ao mesmo tempo.
Saber que aos grupos de teatro se chama companhia é algo que diz bastante sobre a natureza do que se faz em palco. E, assim, a palavra companhia é cara ao conceito de Comunidade. O teatro é, ou pode ser, lugar para contrariar o que no mundo se vai vivendo:

se os dias correm mais depressa, no teatro a espessura do tempo, como nas ruínas, segura-nos; se nos tornamos individualistas na vida quotidiana, no teatro estamos inevitavelmente juntos.
Sobre Topografia pode dizer-se, sem querer entrar em autodefinições, que nasce da nossa cabeça, pode ser espelho destas pessoas, e assim há-de funcionar mais como espectáculo sobre a comunidade que é o Teatro da Cidade do que sobre outra comunidade qualquer. No entanto é sobre o mundo que queremos reflectir e para isso usamos referências e criamos situações que nada têm de nós.
Não há forma de reflectir inteiramente sobre um conceito tão vasto como Comunidade – algo que aprendemos com Os Justos e a Justiça – reflectimos sobre parte disso; e se nos propomos a pensar não encontraremos resposta: estamos, apenas, a iniciar um período de atenção em relação ao tema.

Privacy Settings
We use cookies to enhance your experience while using our website. If you are using our Services via a browser you can restrict, block or remove cookies through your web browser settings. We also use content and scripts from third parties that may use tracking technologies. You can selectively provide your consent below to allow such third party embeds. For complete information about the cookies we use, data we collect and how we process them, please check our Privacy Policy
Youtube
Consent to display content from Youtube
Vimeo
Consent to display content from Vimeo
Google Maps
Consent to display content from Google