A Nossa Cidade

(2021)

NOMEAÇÕES

Eleito um dos melhores espectáculos do ano de 2017 pelo jornal Expresso e revista Time Out

Nomeado como Melhor Espectáculo de 2017 pela SPA – Sociedade Portuguesa de Autores

ONDE E QUANDO

Lisboa
Teatro do Bairro Alto
8 a 18 de Julho de 2021

Viseu
Teatro Viriato
24 de Julho de 2021

Mai detalhes…

“É uma das peças mais duras, tristes e brutais com que já me deparei. E é tão bela, e quando é cómica é gloriosamente cómica. (…) Há cenas em A Nossa Cidade em que é difícil para mim pensar sem ter vontade de chorar. (…) É provavelmente a melhor peça americana escrita até agora.”

Edward Albee, 2011

Neste clássico da dramaturgia experimental, um diretor de cena apresenta-nos com precisão, compaixão e ironia as ruas e pessoas de Grover’s Corners, cidadezinha fictícia de Nova Inglaterra no início do século XX. Mas este retrato tão específico pode ser uma maneira de falar de coisas talvez universais: a experiência humana do tempo; o quotidiano, o amor e a morte. Em março de 1964, a estreia de uma produção de Our Town em Anchorage, no Alasca, foi cancelada por causa de um fortíssimo terramoto; em março de 2020 e de novo em janeiro de 2021, foi uma pandemia que adiou A Nossa Cidade. Este espetáculo, que agora finalmente estreia, junta pela primeira vez três jovens companhias de Lisboa. Num gesto que não pode deixar de ser de resistência, desenham uma cidade a várias mãos para nos vermos nela. A força deste encontro nasce de uma vontade de questionamento, diálogo e observação conjunta sobre a forma como cada companhia e cada um de nós está – no teatro e na cidade.

FICHA TÉCNICA/ARTÍSTICA

Texto: Our Town (1938) de Thornton Wilder
Criação e produção: Os Possessos, Auéééu – Teatro e Teatro da Cidade
Tradução: João Pedro Mamede e Catarina Rôlo Salgueiro
Criação e interpretação: Beatriz Brás, Catarina Rôlo Salgueiro, Filipe Velez, Guilherme Gomes, Leonor Buescu, Isabel Costa, João Silva, Joana Manaças, Miguel Cunha, Nídia Roque e Sérgio Coragem
Produção: Raquel Matos
Estagiária de apoio à criação e assistente de produção: Joana Silva
Desenho e operação de luz: Rui Seabra

Desenho de som: André Carinha Mateus e José Neves
Operação de som: André Carinha Mateus
Cenografia, adereços e figurinos: Bruno Bogarim
Coprodução: Teatro do Bairro Alto e Teatro Viriato
Residência de produção: O Espaço do Tempo
Fotografias: Bruno Simão
Projeto apoiado pela República Portuguesa – Cultura / Direção-Geral das Artes
Duração: 2h30

FOLHA DE SALA

Topografia é o segundo espectáculo do Teatro da Cidade. Depois de Os Justos, de Albert Camus, decidimo-nos a um novo desafio: a criação colectiva original de um espectáculo que se debruça sobre o conceito de comunidade.
O teatro obriga-nos a experienciar este conceito, e quanto mais colectivo é o processo, mais nos confrontamos com a experiência de saber estar em comunidade. Quando decidimos ser “criadores colectivos” – palavras que, juntas, já por si se tornam paradoxais – abdicamos, em grande parte, da nossa individualidade para que de alguma forma a possamos testar ao mesmo tempo.
Saber que aos grupos de teatro se chama companhia é algo que diz bastante sobre a natureza do que se faz em palco. E, assim, a palavra companhia é cara ao conceito de Comunidade. O teatro é, ou pode ser, lugar para contrariar o que no mundo se vai vivendo:

se os dias correm mais depressa, no teatro a espessura do tempo, como nas ruínas, segura-nos; se nos tornamos individualistas na vida quotidiana, no teatro estamos inevitavelmente juntos.
Sobre Topografia pode dizer-se, sem querer entrar em autodefinições, que nasce da nossa cabeça, pode ser espelho destas pessoas, e assim há-de funcionar mais como espectáculo sobre a comunidade que é o Teatro da Cidade do que sobre outra comunidade qualquer. No entanto é sobre o mundo que queremos reflectir e para isso usamos referências e criamos situações que nada têm de nós.
Não há forma de reflectir inteiramente sobre um conceito tão vasto como Comunidade – algo que aprendemos com Os Justos e a Justiça – reflectimos sobre parte disso; e se nos propomos a pensar não encontraremos resposta: estamos, apenas, a iniciar um período de atenção em relação ao tema.

Privacy Settings
We use cookies to enhance your experience while using our website. If you are using our Services via a browser you can restrict, block or remove cookies through your web browser settings. We also use content and scripts from third parties that may use tracking technologies. You can selectively provide your consent below to allow such third party embeds. For complete information about the cookies we use, data we collect and how we process them, please check our Privacy Policy
Youtube
Consent to display content from Youtube
Vimeo
Consent to display content from Vimeo
Google Maps
Consent to display content from Google